terça-feira, 24 de abril de 2018

Paciente não é um brinquedo e nem um robô

Hoje quero propor uma reflexão aos estudantes da área da saúde. Você já parou para refletir seu comportamento nos hospitais/postos? Às vezes, nós reclamamos que os pacientes nos ''expulsam'' da sala ou dizem ''não'' ao serem questionados se podemos entrevistá-los. Porém, pare por um instante e pense se você não iria querer fazer o mesmo depois de receber dezenas de estudantes cheios de perguntas. 

Sei que nós precisamos aprender, mas os pacientes NÃO são robôs ou bonecos de plástico. Eles são pessoas que sentem dor, falta de ar, preguiça, enjoo... Ou seja, a indisposição deles não deve nos fazer torcer o lábio, reclamar ou fazer caretas. Antes de ter tal comportamento, se coloque no lugar do outro e reflita por um instante! 

 Quando estiver nos ''cenários'', aproveite ao máximo o tempo ao lado dos pacientes e não pare de dizer ''por favor'', ''desculpe'', ''obrigada'', ''com licença''. Educação vale em qualquer lugar. Seja em casa, na rua ou nos locais de trabalho; tanto com os pacientes, quanto com os acompanhantes e profissionais daquele lugar. 

terça-feira, 17 de abril de 2018

Explorando oportunidades na faculdade

Você já parou para pensar que existem vários cursos e eventos na faculdade que você perde? Geralmente, nós só vamos às atividades que estão relacionadas ao nosso curso. Ou seja, no meu caso, medicina. Mas e se você pesquisasse sobre as demais opções? Já pensou que pode ter algo interessante para fazer? 

  Ultimamente, eu venho tentando mudar isso e percebi que poderia ter feito ótimas atividades, que apesar de não estarem relacionadas diretamente à minha área, agregariam novos conhecimentos. Há alguns dias, participei de um simpósio sobre Gestão de Projetos e com isso tive duas ótimas palestras sobre: O Super Computador e Segurança Virtual. Duas surpresas: primeiro, eu não sabia da existência de um super computador e muito menos que ele se localizava na mesma cidade em que eu faço faculdade; Segundo, vi dados assustadores sobre roubos virtuais.
  Talvez se eu tivesse seguido a linha de pensamento de dezenas de colegas que se restringem à área da saúde, eu ficaria sem esse conhecimento.Vou usá-lo para a minha vida? Não sei, mas conhecimento nunca é demais. Então o que eu quero hoje?
  Quero incentivá-lo a pensar fora da caixinha e se abrir a coisas diferentes. Afinal, quem sabe o que você pode descobrir fazendo isso...

terça-feira, 10 de abril de 2018

Publicar com editora: Prós e contras

Nessa modalidade de publicação, existem 2 opções: em editora tradicional (o autor não paga) e em editora paga (que o autor arca com uma parte do processo). No segundo modelo, o pagamento pode ser feito de diversas formas, tudo depende da proposta.

PRÓS
1) EQUIPE QUE FAZ TUDO
No contrato estão todos os itens que a editora lhe dará (diagramação, revisão, capa, registros...) e isso será feito por uma equipe contratada pela editora, ou seja, você não precisará ir atrás de cada pessoa para realizar um determinado serviço.
2) LIVRO CHEGA A GRANDES REDES DE LIVRARIAS/LOJAS
A maioria das livrarias e redes de lojas só aceitam livros que sejam editados por Editoras, ou seja, nesse caso, os autores independentes encontram uma ''barreira'' para chegar nesses locais. O que não acontece se o seu livro contiver um selo editorial.
3) CAMPANHA DE MARKETING INCLUÍDA
Muitas editoras promovem seus livros, realizam campanhas publicitárias e marketing a fim de aumentar as vendas. E, sejamos honestos, quanto mais lucro eles tiverem, mais lucro você vai ter (mesmo que sua porcentagem de direito autoral não seja tão grande). Sem editora, você vai precisar fazer isso sozinho e custear tudo.


CONTRAS
1) PORCENTAGEM DE DIREITOS AUTORAIS PEQUENA
Pelo que eu vejo, as porcentagens de livros físicos não costumam passar de 18% (são raras as que oferecem 20% aos exemplares físicos). Já com livros digitais, costuma ser de 25% (no máximo 30%). Ou seja, fazendo uma média, seria de 10-18% para volumes físicos e 12%-25%. Obviamente, existem exceções, mas essas seriam as médias.
2) SUJEITO ÀS DECISÕES DA EDITORA
Você é o autor da obra e por isso, fará algumas decisões, contudo, em determinadas ocasiões, a editora tomará a decisão SOZINHA. E você precisará aceitar. Exemplos: período de promoção, custo do livro, participação em eventos...
3) VALOR COSTUMA SER MAIS ELEVADO
Ao publicar com uma editora paga, o custo de publicação costuma ser superior ao de uma publicação independente, porque logicamente a editora quer ter lucro também.

Você precisa analisar o conjunto de elementos antes de decidir o que quer fazer, porque talvez, o barato saia caro se fizer algo por impulso e sem avaliação prévia. Ou seja, analise ANTES.

terça-feira, 3 de abril de 2018

Publicar independente: prós e contras

Dentre os escritores, não há consenso se o melhor é a forma de publicação independente ou aquela com editora. Só lembrando que ao publicar com uma editora, ainda há possibilidade de ser tradicional ou paga, mas isso é assunto do post da semana que vem.

PRÓS:
1) LUCRO MAIS RÁPIDO 
Após vender o mínimo de exemplares para ''pagar'' o investimento, você começa a ter lucro. E isso ocorre mais rápido do que ao ter uma porcentagem de direito editorial com editora.
2) VOCÊ NO COMANDO
É claro que nós temos o controle da nossa obra, mas ao estar numa editora, você está sujeito a certas determinações, como preço promocional, preço de venda, períodos de promoções...Se for independente, você decide TUDO.
3) MENOR CHANCE DE SER ENGANADO
Como você está participando mais ativamente de cada etapa, a chance de cair numa cilada é menor e caso isso ocorra, afetará uma etapa específica (com um custo específico), invés de todo o processo de produção do livro.


CONTRAS:
1) NÃO CHEGA A GRANDES REDES DE LIVRARIAS 
Grandes redes como Saraiva, Cultura, Curitiba, Americanas... Geralmente só vendem livros que tenham um selo editorial
2) PROJETO DE MARKETING
Você vai precisar investir MUITO em Marketing se quiser ser conhecido pelo público. E todo o gasto sairá do seu bolso. Em editoras, você acaba conseguindo isso pelo preço da proposta, porque muitas vezes eles fazem marketing para todos os livros que serão publicados por eles.
3) PROCURAR QUEM VAI FAZER O QUE
Você vai precisar contratar dezenas de pessoas para editar, diagramar, revisar. Então é um pouco mais trabalhoso, porque você terá que ''ir atrás'' de cada etapa

Esses são os principais pontos de prós e contras. Escrevam nos comentários o que acharam da minha lista! Semana que vem sairá a lista sobre as publicações com editoras.

Postagem em destaque

Apresentação